Pesquisar

Carregando...

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Nova lua, lua nova

Lua nova...

Hoje me intero do propósito de ser, de agir e de ter.
Consciência ampla, espírito inovador e coração aberto.
Hoje aceito meus dons, professo minha fé, e dou voto de amor.
Hoje me entrego.
Hoje desperto da dor.



sexta-feira, 13 de julho de 2012

Japamala

"Japa" é uma palavra em sânscrito que vem da raiz verbal "jap", que significa "murmurar, sussurrar".
"Japa" é a prática feita pelos yogis na repetição em tom de murmúrio de mantras, de passagens das escrituras, ou do nome de uma divindade.
A repetição destes mantras, o "Japa", é uma "corrente", um "cordão de energia".
Mala é uma palavra de vários significados em sânscrito, porém neste caso, ela quer dizer, apenas, "cordão de contas".
Temos então duas correntes, uma espiritual, "Japa" e outra material, "Mala". Assim, as energias espirituais invocadas "Japa", energizam o "Mala".
Geralmente, o "mala", utilizado para o "japa", "murmurar", contém 108 contas.
Um Mala pode conter contas que também formam divisões de 108, de modo que o mesmo cálculo possa ser mantido.
Chegar ao "Meru", a conta central no mala, mostra que você fez o seu "japa" por 108 vezes. Completar o circuito de 108 mantras é um passo a mais no caminho da elevação espiritual. Cada Volta realizada no "Mala", é um degrau na escada para a união com o éter divino.
Um "mala" estimula seu usuário a fazer os "japas" diariamente.

POR QUE USAR UM MALA ?
O Mala é utilizado para contar mantras em grupos de 108 repetições.
A palavra mantra vem do sânscrito, "man" que significa "mente" ou "pensamento" e "tra" significa "proteger" "socorrer".  Assim, mantra quer dizer : proteger nossas mentes de maus pensamentos.
Os mantras são um meio de comunicação espiritual das religiões hindu e budista. Um mantra sagrado é normalmente entoado em sânscrito. Quem entoa mantras busca a intercessão espiritual. Uma forma de orar repetidamente, a fim de magnetizar as energias de uma determinada divindade.
O mantra essencial é a sílaba sagrada OM, que significa Ômega. Ômega é a energia feminina da Mãe Divina. Quando entoamos o OM, estamos manifestando a vontade de trazer para a matéria, a energia da palavra ou frase seguinte. Por exemplo: OM VISHNU OM, Significa que estamos dizendo que queremos a intercessão de Vishnu em nossas vidas. Vishnu é responsável pela instrução e compreensão dos mistérios da vida, dizer seu nome somado a um OM, traz sabedoria para quem o faz. OM SHIVA OM, traz o poder purificador e protetor de Shiva para quem o entoar.
Praticamente todas as religiões entoam alguma forma de oração para a comunhão espiritual com seres mais elevados.
Mantra é formado por palavras em sânscrito com poderes para elevar a consciência, promover a cura, solucionar problemas, conseguir proteção e direção espiritual, manifestar desejos e muito mais.
Entoar mantras é uma forma de meditação. Uma pessoa entoa mantras repetidas vezes, em murmúrio ou em alto tom. A mente focaliza-se no conteúdo do mantra e os pensamentos tornam-se positivos e poderosos, a respiração deve ser lenta e profunda.


USANDO UM MALA 

Segurando o seu cordão de contas, o "Japa Mala", na mão direita, deixe que ele escorregar sobre o dedo do meio (o dedo do céu, o dedo mais longo). O dedo indicador não deve tocar as contas, ficando estendido durante todo o período da entoação dos mantras, o "japa".
Comece sempre pela conta seguinte à grande conta, o "meru", que significa "montanha", e não deve ser contado, nem tocado pelo dedo do polegar, o Meru é apenas o ponto inicial e final da contagem das contas.
Puxe as contas de seu Mala sempre em sua direção, uma a uma, entre seu dedo polegar e o dedo do meio, usando seu polegar para “contar” e puxar cada conta, puxando levemente, enquanto recita o mantra escolhido, e movendo para a próxima conta, até completar a série de 108 contas de seu mala, entoando seu mantra escolhido, por 108 vezes seguidas, ou mais.
Uma conta é puxada por cada repetição do mantra.
O polegar representa seu chakra da garganta e o dedo do meio representa o éter divino no chakra do coração. Assim, como estamos nos comunicando com seres elevados do plano etéreo, este mudra aumentará nosso poder de comunicação espiritual.
Mantenha a mente firme prestando a atenção em sua respiração, nas contas e em seu mantra.
Enquanto puxa uma conta, inale, entoe o mantra "OM NAMAH SHIVAYA", enquanto exala. Um Mala foi feito para ser utilizado em harmonia e com muita calma e firmeza em suas palavras.
Uma vez que você alcance o Meru, caso queira continuar mais 108 vezes, não o ultrapasse. O Meru é a conta estática do Mala.
Vire as contas ao redor e continue na direção inversa. Isto se faz necessário por que quando puxamos as contas ganhamos um espaço entre elas, assim juntamos as contas que ficaram para trás, se formos em frente pelo caminho que começamos, encontraremos as contas muito juntas do outro lado do Meru, e o polegar não poderá fazer o "mudra da riqueza espiritual", que  toca estes dois dedos a cada puxada.
O Japa Malas pode ajudá-lo a tirar a tensão, a ansiedade, o medo e levará você a atingir níveis mais altos de consciência e realização espiritual.
A utilização de Japa Malas aumenta a felicidade e a capacidade de meditação. As contas de Japa dão mais foco e maior determinação a quem às utiliza.
Um mala pode ser um colar ou uma pulseira. A pulseira deve ter 27 contas, que precisarão ser contadas por 4 vezes para completar 108. 


O PODER DE UM MALA

Seu Mala pode ser imantado com o poder de "Japa"de seu mantra, para isso você precisará praticar todos os dias, por pelo menos 40 dias seguidos. Após 108 dias o mala ficará carregado da energia do poder do mantra entoado/ murmurado/ meditado, e você poderá colocá-lo ligeiramente sobre si ou em outros, para transmitir a energia do mantra, armazenada na mandala de luz, formada em seu Mala.
O ideal seria utilizar um Mala para cada mantra. Quando utilizar o seu mala com um novo mantra, a energia do novo mantra começará a substituir a energia do mantra anterior, então é recomendado usar um novo mala com cada mantra, se possível, é claro.
Outra boa idéia é ter um Mala para cada raio. Cada um dos sete principais chakras carrega as energias de uma das sete principais consciências de Deus.
Quando não estiver utilizando seu mala, guarde-o em um lugar limpo e sagrado. O melhor lugar para guarda-lo é sobre um altar pessoal ou sobre uma estatueta sagrada de uma divindade.
O mala é utilizado para que uma pessoa possa pensar sobre o significado do mantra e de suas palavras enquanto entoa, sem ter a necessidade de ficar contando as vezes que entoa.

domingo, 8 de julho de 2012

Reflexões


E como sempre acontece, sinto as coisas mas nunca sei do que se trata. Semanas atrás a torre apareceu. E como sempre ela nunca vem com delicadeza. Ela traz rupturas dolorosas, novos pensamentos tidos não pela reflexão, mas sim por novas vivências e experiências doloridas mesmo. Onde você questiona valores, fé, dons e tudo o mais que vem em mente. Pois é, e comigo não seria diferente. Só prá variar...
A torre veio, e me jogou de uma altura enoooorme. E eu ainda estou tentando localizar o tempo e espaço prá me recuperar do baque...
E tudo foi muito depressa... A internação do meu irmão, novas responsabilidades no trabalho, o desencarne do meu irmão...
Não sei como vou sair disso tudo, não sei tempo, espaço, razão... Mas ta sendo duro me adaptar a essa nova realidade. Meu único irmão por parte de pai e mãe...Meu pequeno, meu caçula...
Tentando me recuperar do abalo sismico, tentando me levantar, tentando enxergar alguma estrela pelo caminho, tentando me reerguer. Mas no momento o que mais quero é simplesmente me isolar, ficar quieta dentro de um buraco de tempo, e só depois que o ermitão for embora, é que eu saio. 
Tentando respirar, tentando enxergar com os olhos do espírito tudo isso que aconteceu em minha vida, na vida da minha família... Estou tentando alimentar a minha fênix.

Ametista.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Maytrea...

Ontem acordei com esse nome...e hoje compartilho com vocês.


MAITREYA

Cargo na Hierarquia Espiritual :

O Grande Lord Divino (que há centenas de anos era conhecido como Lord Maitreya) foi o Instrutor do Mundo, ou o Cristo Cósmico.

No Ano Novo de 1956, Ele assumiu o cargo de BUDHA, ocupado anteriormente pelo Príncipe Gautama.

Ele é responsável por alimentar e sustentar a Chama Divina no coração de cada ser humano até o seu pleno desabrochar.

O Senhor Maitreya foi o Cristo Cósmico que “assessorou” Jesus, em sua passagem pelo nosso planeta.

Tanto Kuthumi, quanto Jesus foram instruídos pelo Lord Divino.

Ele é, também, hierofante do Templo Solar do Amor e tem, em Kaschmir, um foco de luz em conjunto o Mestre Kuthumi – Templo da Sabedoria.

Templo Solar do Amor

Este Santuário entra em atividade, todos os anos, por ocasião do signo de gêmeos. Neste período, Maitreya é o magno condutor e sustentador de Bênçãos provenientes do Sol Central que agraciam a humanidade auxiliando-a no real aprendizado do amor.

O Festival do Santo Ser Crístico (Asala), acontece quando a Energia do Templo Solar do Amor (rosa) abençoa o Planeta unindo-se à energia dourada do Festival.