Pesquisar

Carregando...

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Kvetha Fricai....Saudações Amigo!

           Dragão da lua, ou dragão branco:

Um dragão que adquiriu extremo poder e conhecimento. E portanto se tornou um risco.
Com receio de algo que pudesse ocorrer referente a isso, os demais dragões o exilaram na lua.
Passando a viver sozinho, chegou a quase enlouquecer de saudades dos seus que viviam em terra. Compadecendo-se da dor do dragão. Cibele, a deusa lunar se aproximou dele e ao passar a conversar com assiduidade, resolveu compartilhar com ele os segredos ocultos....Conforme o dragão ia aprendendo, seu poder e controle ia aumentando. E ele se tornou perito em harmonizar os elementos. Isso fez com que ele desenvolvesse a tonalidade prateada.
Dragão verde:

Habitam no reino vegetal. São ágeis e longilíneos, possuem asas pequenas e escamas finas. Tem temperamento alegre e jovial. Protetores do reino vegetal.


Dragão negro:

Guardiões dos que buscam a harmonia e equilíbrio material e espiritual. Residem nas cavernas profunddas e pântanos, onde a luz é bem fraca, ou quase inexistente. São reservados ao extremo.
Conduzem as almas dos que se perdem nos reinos sombrios.
Possuem cornos, asas e um corpo forte com escamas espessas.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Rhiannon - Deusa gaulesa do subterraneo e dos cavalos - Comemoração: 04/03


Seu nome significa "Divina Rainha das Fadas", sendo considerada uma Deusa da Lua. É também conhecida como a Deusa dos pássaros, dos encantamentos, da fertilidade e do submundo. Ela se identifica com a noite, a emoção, o sangue, o drama.
Rhiannon é a donzela saída do mundo subterrâneo e neste aspecto, relaciona-se com a Deusa Perséfone. Sua iconografia vincula-se ao simbolismo eqüino.



Andava em um cavalo branco, vestida com um manto de penas de cisnes, sempre acompanhada por seus pássaros mágicos. Ela é venerada na Irlanda, no País de Gales, na Gália (Epona), mas também aparece na Iugoslávia, África do Norte e Roma.
Rhiannon era uma Deusa gaulesa da morte, filha de Hefaidd, Senhor do Outro Mundo. Vivia sempre acompanhada por três pássaros mágicos, que podiam encantar os vivos e acordar os mortos.




ORAÇÃO À RHIANNON
Canta os pássaros de ouro
Tragam esperanças para as almas ocupadas
Canto em honra a Rhiannon
Grande Rainha, Deusa do Cavalo
Que minha carga seja leve
Ajude-me em minhas aflições
Onde possa haver dúvida
Semeie a verdade
Faça com que a crise
encontre o seu fim
Dirija todos passos de nossa vida
Mãe da fertilidade e da morte
Nos traga a paz
Que esta canção lhe seja doce
Conforte minha alma
Que minha pena seja breve
E que meu coração permaneça inteiro.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Vesta - Deusa do fogo sagrado, da família e de Roma.

Vesta filha priomogênita de Rhea e Chronos.
Vesta era uma deusa de suma importância no panteão romano, pois a ela eram feitas todas as honras em primeiro. Em razão das circusntâncias de seu nascimento. Mesmo não tendo imagens constuídas em seu nome, Vesta era a deusa que era mais próxima dos romanos, até mesmo em razão do fogo sagrado que permanecia aceso nas residências (lararium) e a ela era dedicado. Também era a deusa protetora dos templos e das comunidades.
Suas sacerdotisas eram as vestais, moças que eram escolhidas entre as famílias nobres, e serviam a vesta pelo período de 30 anos. Sendo os 10 primeiros de aprendizado, outros 10 de sacerdócio, e os ultimos para ensinar a próxima sacerdotisa a ocupar seu lugar.


Templo de Vesta

As sacertodisas tinham extremo respeito da sociedade, pois era tido que caso um preso estivesse para receber sua sentença de morte e apenas encontrasse com uma vestal, esse recebia perdão pelos seus erros e era absolvido.


Devido a essa importância social e política as vestais eram continuamente intimadas a participar de assuntos políticos. No entanto, caso ficasse comprovado essa poderia perder seu lugar no templo sendo mandada embora, também perdia seu lugar na sociedade. Visto que desrespeitara os preceitos de Vesta, infringindo uma das regras do templo. Não interferir em assuntos de estado.
Segundo a lenda, Vesta abdicou de seu lugar no Olimpo, cedendo-o a Dionísio, pelo direito de permanecer virgem. Desse modo, outra regra que deveria ser respeitada era a da castidade. Ao entrar no templo, a vestal deveria permanecer casta. E caso essa não obedecesse o preceito, poderia ser enterrada viva.

Héstia.

Na Grécia, temos o arquétipo de Vesta. Héstia, ou a última.
Pois, sendo a primogênita de Rhea, foi a primeira a ser engolida pelo seu pai chronos, e a ultima a ser retirada da barriga de seu pai.
O culto a Héstia na Grécia antiga, não era tão fomentado como na Roma antiga. Pois na Grécia o patriarcado era mais marcante. Mas ainda assim, Héstia tinha sua importância, como deusa do fogo nos templos.
Suas sacerdotisas eram as pytantes.

RITUAL DE VESTA PARA PURIFICAÇÃO:
Como deidade do fogo. Vesta é considerada também a deusa da purificação interior e espiritual. O ritual que segue pode ser realizado na lua crescente ou minguante.
Você vai precisar de:

  • Vela vermelha ou branca;
  • Incenso purificador (alecrim, hortelã);
  • Caldeirão;
  • Bastão (varinha);
  • Fogo sagrado.
Ajoelhe-se perante o altar, acenda o incenso e diga:

Que eu seja limpo por dentro e por fora, de corpo e de alma,
Que todas as coisas de minha vida se renovem.

Acenda a vela, e como a chama desta o fogo sagrado. Toque a levemente com seu bastão dizendo:

Vesta da chama sagrada,
Deusa da purificação e renovação,
Dama que liberta os cativos,
Derrame suas labaredas purificantes sobre meu coração e minha alma.
De modo que minha vida se renove, e que meu espírito fique receptivo.
Desperte minha mente para novas oportunidades.
Chame meu espírito para um maior coinhecimento espiritual.
Revele-me seus mistérios ocultos
Para que eu possa experimentar uma nova iniciação.
Purifique-me e abençoe-me, ó Vesta.

Permaneça de joelhos até sentir a purificação.
Aguarde as mudanças e se prepare para o processo. Pois ele pode ser sutil como mudanças de hábitos alimentares, ou forte como sintomas de gripe.

Abençoada(o) seja!

Fogo sagrado aceso no ritual

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Fogo


A noite escura se sobressai no brilho intenso da luz, que ao centro das estrelas comanda a festa que se inicia no solstício de verão.

Ao longe labaredas grandes e intensas voam no ar, e numa floresta cálida e silenciosa só o crepitar das chamas é perceptível.

Hoje, onde os gamos corriam nem seus rastros existem, a ignorância e o orgulho humano os mandaram embora de onde outrora fora seu reinado. Agora que não mais existiam, a fogueira queimaria tudo, pois a terra morreria sem as investidas longas, fortes e persistentes dos reis da floresta.


Ao longe no mosteiro, monges entoam o Ângelus, indiferentes a toda inquietação, do outro lado da floresta, perto do carvalho...
Do outro lado da ilha, ninfas de longos cabelos negros e vestidas de branco dançam ao som da terra. Que vibra ao toque de seus pés. Há séculos fazem esse ritual, os pés marrons da terra que antes fora doada por seus ancestrais. A terra que agora vibra e estranha e intensamente sob meus pés.


É estranho como olhando o céu agora nos transportamos para uma época distante...

...Gamos pastam sobre o verde intenso da planície, as sacerdotisas se preparam para saldar a mãe terra no solstício de verão....

Dragões. Seres de sabedoria e conhecimento.


Dragões são seres mitológicos dotados de poder e magia, que vivem em nosso imaginário seja pelas lendas arturianas ou simplesmente pela vontade de viver os tempos em que segundo contam-se eles estiveram em terra. Embora tais evidencias não estejam comprovadas.
Dragões têm simbologias diversas em culturas diferentes, na china, por exemplo, ele representa o poder e a fatura. O ano do dragão é o mais forte para eles, o ano da realização plena.
Já para os fenícios os dragões representavam a encarnação do mau. Assim como para os católicos.



Na mitologia arturiana, o pai de Artur, Uther Pendragon, tinha dragões tatuados em suas mãos como símbolo de forca suprema e determinação.


     Dragões são tidos como um dos animais mais completos na mitologia antiga. Pois caminha pela terra, água, ar e fogo. Sendo esse ultimo seu habitat natural. Desse modo, temos quartro dragões que representam esses quatro elementos que são esses:




  • DRAGÕES DA TERRA: São de cor marron e suas matizes . De temperamentos irritados vivem em cavernas e buracos. Não possuem asas, porém, são fortes e robustos. Guardiões dos recursos minerais.
  • DRAGÕES DO AR: Guardiões da pedra leste. Dourados e amarelos. Residem em nuvens, possuem corpo esguio e asas. São gentis e tolerantes.
  • DRAGÕES DA ÁGUA: Guardiões da pedra oeste. Azuis, verde-azulados, em diversas matizes. Residem na água em geral. Não possuem asas mas barbatanas. De temperamento distantes e calmos.
  • DRAGÕES DO FOGO: Guadiões da pedra sul. De tons vermelhos e todos ígneos. São de temperamento feroz e inconstante. Residem em cavernas e vulcões. Acendem paixões avasaladoras.
Ainda temos os dragões Lunar, verde, branco e o preto. Mas esse será o assunto da próxima postagem.
Eka aí fricai un Shur'tugal!


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Os templários. Cavaleiros de Deus, senhores da magia.

     
A ordem foi fundada em 1118, na época das cruzadas, em jerusalem com o fim de proteger os peregrinos que se dirigiam ao Santo sepulcro. Como ordem de cavalaria militar, formaram a vanguarda e a espinha dorsal dos exércitos dos cruzados na Palestina. Por serem excelente administradores, fiéis  e organizados depositários, tornaram-se banqueiros de papas, reis, príncipes e particulares. Isso os tornou alvo de ambição do Rei Felipe, o belo, de França que premido de necessidade de dinheiro em consequência das incessantes guerras que movia a seus vizinhos e, temeroso do poderio dos cavaleiros. Resolveu apoderar-se dos bens da ordem.


Heráldica dos templários - escudo

Acusados de heresia, foram denunciados por possuírem um esoterismo particular. Sendo caluniados, espoliados e martirizados, retiram-se para a Escócia, onde se juntam a maçonaria.
Vale ressaltar que os templários não foram perseguidos pelos dogmas que existiam em sua conduta, mas sim por ganância do rei em possuir todos os seus bens.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Classificação das ervas * Banhos

As ervas podem ser classificadas da seguinte forma:



  • Frias
  • Mornas
  • Quentes.

Explicando cada uma delas: As ervas que são indicadas como frias, são as que agem diretamente no propósito do banho. Exemplo. Banho de rosas rosas para a conquista de um novo amor.

Já as ervas que são indicadas como mornas, são as equilibradoras, agindo no preparo e na cura. Dentre elas podemos citar: alecrim, alfazema, salvia...


Rosmarinus Officinalis - Alecrim

As ervas quentes são as de limpeza. Como por exemplo: Guiné, arruda, eucalipto...

Ruta graveolens L - Arruda

Pantáculos

Pantáculos são simbolos ativos e irradiadores. Não podemos confundi-los com pentáculos, a estrela de cinco pontas, comumente conhecida entre os bruxos e bruxas. Cujo nome também pode ser pentagrama.
Os pantáculos são carregados de simbologia, como por exemplo: selos planetários, alfabetos mágicos e simbolos planetários.
Dessa forma, os pantáculos podem ser: Mágicos ou Astrológicos.


Mágicos: Contidos de simbologia mágica como alfabetos. E não possuem simbologia de planetas ou gênios planetários.


Planetários: Em sua confecção, além de alfabetos mágicos, temos também o uso de simbologia planetária e também de gênios planetários.


Por ser irradiador de acordo com a intenção, e na consagração mentalizarmos a pessoa que fará uso desse objeto. O pantáculo é de USO PESSOAL e instransferível.


Pantáculo de proteção - Mágico
Pantáculo da lua - Autoconfiança - Planetário

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Preparo de ervas


Modo de trabalhar com as ervas
...As ervas podem ser trabalhadas das seguintes forma:


  • Chá
  • Cataplasma
  • Inalação
  • Maseração
  • Decoção
  • Patuá e
  • Tisana


Chá: Cozimento da erva em água
Cataplasma: Aplicação da erva diretamente na região afetada. Usa-se as mãos para maserar a erva cuja seiva, pode ser ativada também com água;
Inalação: Respirar o vapor das ervas dispostas em água fervente, ou até mesmo do chá;
Maseração: Deixá-las em processo de secamento(em folha de jornal), e usar o pilão para triturá-las;
Decoção: Despejar água fria sobre as ervas e iniciar o cozimento;
Patuá: Depois de seca, dispor as ervas em um saquinho costurado a mão.(lever consigo);
Tisana: Acrescentar ervas a água fervente. Método em geral mais indicado para flores;

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010


As ervas, como sabemos podem ser usadas para diversos trabalhos de magia. No entanto, o mais popularizado são os banhos.

Podemos fazer banhos para saúde, amor, limpeza, prosperidade...

Também não podemos esquecer que ainda podemos as usar em poções, chás, e também patuás...Todos como processo de alcance de metas e objetivos. Porém não podemos esquecer do respeito pelos senhores das matas, elementais que nela vivem e que dela se sustentam...por isso ao colher folhas, frutos ou até mesmo flores. Devemos agradecer á Dríade que habita aquela árvore, e pedir permissão para levar uma parte dela com você. Se puder, deixe algo em troca.